quinta-feira, 28 de junho de 2012

Ele é assim



...e não esperei.enviei-lhe uma mensagem:
B-"...um dia ainda te vou esquecer, PROMETO, mas hoje não, ainda não!"
Resposta imediata:
G-"Eu também prometo que NÃO te vou esquecer amor"
Grrrrrrrrr.......


quarta-feira, 27 de junho de 2012

Um dia!...eu prometo...


Só penso nele, mas o que é isto?! Tas parvinha Bruna?!
Não era previsto estar assim...SOCORRO(acho que estou a apaixonar-me).
Não posso...Volto a estar confusa, eu sei que não vamos ter nenhum final feliz, mas continuar assim esta a dar comigo em doida, esta a alterar o meu humor, o meu estado de espirito, o meu bem estar...
Quero muito estar com o Gabriel, mas não o quero para sempre em minha vida, o que eu quero dizer é que, não o quero a viver comigo todos os dias...acho que o que eu queria mesmo era ser livre (libertar-me do meu casamento) e assim poder estar com o Gabriel sempre que nos apetecesse, deste jeito esta a ser muito complicado, e cada dia que passa sinto mais necessidade de o sentir, de me sentir nos seus braços...
Sinto-me presa...sinto-me frágil.

Não me considero "casada", porque para mim um casamento vai muito além de um papel assinado, por isso não considero que esteja a trair o meu marido, uma vez que nós já não temos uma vida comum de casal (apenas vivemos na mesma casa) nem tema de conversa temos (apenas acerca dos nossos filhos)...porque me hei-de considerar casada só porque um dia acordamos sê-lo?...mas afinal esse compromisso já foi encerrado por nós dois há muito tempo...só não o verbalizamos...
No entanto, aos olhos da sociedade, nós somos casados...e isso implica determinadas atitudes e comportamentos, e isso esta a dar comigo em doida, este peso, que bem la no fundo eu carrego, esta culpa que me inquieta...ESTOU FARTA DE FINGIR QUE ESTA TUDO BEM COMIGO, COM ELE CONOSCO, COM O NOSSO CASAMENTO!...

Preciso me sentir amada! Preciso me sentir nos braços do Gabriel!
Sendo verdadeiro ou não o que o Gabriel sente por mim...sinto-me bem, muito bem nos braços dele!
Sinto-me (a menina dele) exatamente como ele diz quando me abraça " Vais ser sempre a minha menina" e é tão bom ouvi-lo dize-lo (embora eu duvide sempre das suas palavras).

A vida é tão complicada :(

Que vontade de estar agora nos seus braços!

Mas um dia eu vou esquece-lo (PROMETO)

terça-feira, 26 de junho de 2012

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Esquecer-te? Como?


Sábado, dia 16

Estou prestes a sair do trabalho, são 23.58h, eis que surge uma mensagem:
G-"E hoje, tens tempo?"
Surpresa mesmo...estranho. Afinal ele não se manteve em silencio...quer estar comigo...mas achei aquela mensagem tão fria...será que ele esta chateado e quer falar comigo, talvez seja hoje que vamos dar um rumo a esta "aventura" que não nos esta a levar a lugar nenhum, talvez ele tenha percebido que chegou o fim e não da mais para continuar nesta incerteza de coisa alguma...
B-"E seria a que horas?"
G-"Quando quiseres...
B-"Ok, daqui a meia hora.
G-"Certo"
Mas que mensagens tão...nem sei.

Sitio habitual, hora marcada, lá estava ele dentro do carro à minha espera. Dirigi-me com passos lentos, o coração com batimentos profundos, um friozinho no estômago...não sabia muito bem o que se ia passar...
Entrei no carro, o Gabriel estava com um ar serio no rosto...abriu um leve sorriso, abraçou-me intensamente ao mesmo tempo, disse." Que saudades de ti amor" e ficamos assim abraçados como se o tempo não estivesse a passar por nos...pegou-me no rosto com as duas mãos, beijou-me como se fosse a ultima vez que o fazia...

Sabíamos que tínhamos de sair dali...
G-"Como correu o teu dia hoje?"
B-"Bem...e o teu trabalho, já terminou?!"
G-"...terminou à pouco...o baptizado da minha filha."
Juro que fiquei incrédula, o baptizado da filha? Ele veio ter comigo no dia do baptizado da filha?!
B-" Estas a brincar comigo, não estas?!"
G-" Não, estou a falar a serio, hoje foi o baptizado dela...mas eu tinha que te ver, tinha que estar contigo..."

Parou o carro, virou-se de forma a ficar de frente para mim, pegou-me delicadamente no rosto, olhou-me nos olhos:
G-"Bruna, tu sabes que eu gosto de ti, gosto mesmo muito, tu sabes, não sabes?"
Baixei os olhos, abracei-o...
G-" Diz-me que sabes"
Ainda abraçados, respondi:
B-"Às vezes tenho duvidas..."
Voltou a olhar-me:
G-" Duvidas Bruna?...Vais ser sempre a minha menina...sempre!"
E beijamos-nos como dois apaixonados...
G-"Amor, não me faças dizer aquilo que eu não quero, que não posso, que não devo dizer-te...tu sabes."
B-"Sim Gabriel, eu sei".

G-"Fica comigo toda a noite, podes amor?..."
...





E agora?!...



Agora...
Já sei o que vai acontecer...o Gabriel vai ficar em silencio...e eu...vou deixa-lo em silencio também. Acho que ambos precisamos de reflectir. Eu preciso de reflectir, talvez aproveite este nosso silencio para tentar esquece-lo...
Eu tenho que perceber que esta relação não me esta a dar nada...só incertezas. Raramente estou com o Gabriel e quando estamos juntos é sempre com o tempo contado...isto não é nada!...
Sinto saudades dele, quero estar com ele, fico inquieta, insegura, um turbilhão de sentimentos dentro de mim.
Não! Não quero que isto continue...
E ele? O que será que ele pretende? Sexo?...Passar uns bons momentos comigo?
Não sei nada!!!


quarta-feira, 20 de junho de 2012

Estou fora!



Sexta-feira, 15 de Junho

Estou prestes a entrar ao serviço, são 14.45 e assim sem motivo nenhum, lembro-me do Gabriel, e num impulso, envio uma mensagem para saber se esta tudo bem com ele...resposta imediata:" Para além da vontade de estar contigo, esta tudo bem amor e contigo?"

Não sei porque ando tão irritada, o que é que ele tem de me chamar "amor" ? não podia simplesmente responder sim ou não? Pois, eu sei, ando a irritar-me por tudo e por nada, eu sei, estou a ser parva...
Esquecendo isso, sei que esta tudo bem com ele, entro para o trabalho e nem penso mais no assunto.

Chego a casa por volta das 00.20, tomo um duche, como qualquer coisa e vou ate ao computador onde o tempo voa... os miúdos dormem, o marido ainda esta a trabalhar...e eu aqui...sou interrompida pelo aviso de mensagem no telemóvel...são 2h!
G-"Queres sair amor?
B-"É muito tarde para mim" Fds como é que ele é capaz de me perguntar se quero sair a uma hora destas, só pode estar a brincar comigo...que irritante, começo a ficar mesmo saturada...
G-"Dass"
B-"Não percebi!"
G-"QUERIA MUITO ESTAR CONTIGO"
B-"Juro que às vezes não te entendo..." Ainda muito irritada.
G-"Entende que nem sempre é como eu quero...é como posso"
B-"Pois...esta a ser difícil...para ti, para mim, para os dois..." A sério, neste momento já não me esta a apetecer nada ter esta conversa.
G-" Anda amor, a sério"
B-"Não posso, é melhor ficarmos assim..." Agora eu espero que ele pare...alias, espero que ele entenda que não quero sequer que volte a falar-me, preciso de tempo, de pensar...
G-"Anda Bruna"
Desisto! Não vou voltar a repetir...não vou mesmo! Nem respondo...estou chateada com ele, comigo, com toda esta situação...com toda esta impotência...com o querer e não poder...para ser a esta hora, melhor nem tivesse dito nada...
G-"Please...não sei quando vou ter outra oportunidade de te ver..." E se ele não para de enviar mensagens, vou parar eu.
G-"Vá lá, arranja maneira...só uns minutos para te ver."
G-"Anda Bruna"
G-"Não vens, pois não?"
Já eram 2.45h, estava a ver que não desistia...

Fui tentar dormir, dia seguinte seria complicado, levantar às 7h para serviço de voluntariado na emergência ate as 13.30 e depois do almoço entrar ao serviço as 15h para sair as 24h...bom, ia ser um sábado 
atarefado...
Nem vou pensar em mais nada, acabou...estou chateada e provavelmente ele também deve estar, espero que tenha percebido o meu desinteresse, o facto de eu lhe ter dito que era melhor ficarmos assim, espero que tenha mesmo entendido que é melhor pararmos...


domingo, 17 de junho de 2012

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Nova amizade?

Nunca fiz amizades nem fácil nem rapidamente!
Talvez por me custar bastante em confiar nas pessoas ou em duvidar quase sempre das suas intenções... no entanto sempre fui simpática com as pessoas com quem me relaciono no meu dia a dia.
Estou no meu emprego actual, à pouco mais de dois anos, convivo diariamente com cerca de 30 colegas e trato-os a todos de forma igual, óbvio que existem uns com quem me identifico mais do que com outros, embora isso não muda a minha atitude para com eles, tento ser sempre neutra.
Sou muito reservada (por opção) e não gosto de falar da minha vida pessoal nem sobre mim, ou seja não quero dar-me a conhecer (só para terem ideia, a única pessoa na empresa que tem o meu numero de telemóvel é a minha chefe)...sou muito faladora, mas apenas converso sobre trabalho ou assuntos do quotidiano...contamos piadas, rimo-nos, irritamo-nos (sempre por causa de clientes) e apoiamo-nos uns aos outros...e adoro trabalhar nesse local e adoro mesmo os meus colegas de trabalho!

Pelo que tenho observado, a Cristina é um pouco como eu lá no trabalho...gosta de todos os colegas, respeita-os, apoia-os,anima-os ...e todos gostam muito dela, é super divertida, esta sempre pronta para ajudar...bom, é a nossa alegria todos os dias trás montes de anedotas no telemóvel para nos contar :).

No inicio deste mês, pediu-me se lhe dava o meu numero de telemóvel para me enviar algumas anedotas, o que me pareceu razoável, nesse mesmo dia enviou-me algumas mensagens :)), no dia seguinte perguntou-me se foi muito chata, eu disse que não antes pelo contrario, deu para soltar algumas gargalhadas...
Voltou a enviar umas tantas anedotas e uma mensagem lindíssima sobre amizade, agradeci e retribui...
Desde essa altura, todos os dias me envia mensagens de amizade ( já não existem anedotas), numa dessas mensagens disse que me achava uma miúda muito simpática e que se identificava comigo, que gostava que ficássemos amigas de verdade...

Confesso que gosto muito de receber as mensagens, mas...como é óbvio que tenho muitas duvidas...em primeiro lugar uma amizade não nasce assim de um dia para o outro, em segundo neste momento não sinto que esteja aberta para novas amizades e depois não sei muito bem porque quer ela que eu seja sua amiga, não sei as suas verdadeiras intenções, afinal...aprendi que amizade não se pede, conquista-se!...

Mais uma duvida para me ocupar o pensamento.
Será que sou eu que sou demasiado...desconfiada?!
Juro que não percebo!







sexta-feira, 8 de junho de 2012

De novo NÃO!


Tudo bem, eu sei que estou com alguns problemas, que a minha vida esta bagunçada, esta tudo de pernas para o ar, nada esta a fazer muito sentido...mas também não é necessário este mau humor todos os dias, sempre esta angustiada, com vontade de chorar e sem paciência para coisa alguma... tem sido assim nas ultimas semanas.

Agora passou-me uma coisa horrível pela cabeça...será que ela vai voltar?! NÃO, NÃO QUERO! :(

À cerca de seis meses, quando fui submetida a uma cirurgia, lembro-me de ter lido algures na net, que poderia vir a sofrer de depressão...não dei importância, mesmo a medica disse que eu estava preparada, tinha "a cabecinha muito bem instruída". Não, depressão não é comigo, eu sou mais forte!...

A verdade é que já passei por uma à 9 anos atrás e foi muito muito mau...sinto medo só em pensar no estado  lastimoso em que me encontrava...nem quero pensar... e sei como tudo começou, e estou a começar a sentir-me fraquejar...

NÃO! NÃO e NÃO!
Eu quero voltar a acordar MUITO BEM DISPOSTA! Quero voltar a sair com as minhas amigas e divertir-me, quero voltar a abusar um pouquinho do álcool e dançar a noite toda, e rir ate me doer a barriga, e rir, rir, rir muito...e viver e ser feliz!

Vou-me levantar e vou viver!


terça-feira, 5 de junho de 2012

Ta a desmoronar


Domingo: dia de festa em família.
è verdade, já tinha bebido um pouco além só habitual, e depois de um dia muito alegre (adoro conviver com a minha família) lembro-me da minha avo ( que deveria estar presente) que infelizmente já faleceu.
Retiro-me do local da festa, vou apanhar ar fresco e fumar um cigarro.
Choro, sem motivo aparente. Limpo as lágrimas que teimam em cair. Estou triste.
De repente sinto uma mão no meu ombro, é a minha cunhada (mulher do meu irmão).
- Então bruna, esta tudo bem?
E lá vem outra lágrima...juntamente com um sorriso forçado.
- Sim , tudo bem, só me lembrei da minha avó, mas já passou.
depois de algum tempo de conversa sobre o assunto, ela pergunta.
- Olha, e o teu casamento?
Bom, agora sim, ri-me com alguma vontade.
- Casamento?! Que casamento? Ainda não percebeste que não existe casamento há muito tempo?
- Sim, já percebi que vocês não estão bem, mas...
- O casamento já acabou há muitos anos.
- Mas não achas de deviam fazer alguma coisa para tentar salva-lo?
- Não, não quero. 
- E o sentimento?
- Não existe sentimento.
- Mas já não amas o teu marido? Vocês gostavam tanto um do outro, o que se passou para esse sentimento morrer assim de repente?
- Não foi assim de repente, as coisas foram acontecendo, não vou dizer que a culpa é minha ou dele, a culpa é dos dois, provavelmente ambos erramos. O amor não acontece porque ele me oferece um carro ou uma jóia lindíssima, o amor vai nascendo a cada dia, nasce de pequenas coisa, gestos, palavras, carinho...assim também termina...na falta dessas manifestações...
- Então o sentimento acabou...
- Sim, eu já não sinto que o amo.
- Compreendo, só não sei como conseguem viver assim... Mas quero que saibas que, se um dia tomares uma decisão em relação a isso, tens todo o nosso apoio, sabes que não estas sozinha, ok?
- Certo. Eu sei que sim...

Isto esta a complicar, não estou a conseguir esconder, suportar todos estes sentimentos, ta tudo tão confuso na minha vida. Agora mais a minha cunhada que sabe... Gosto de ser discreta e já não estou a conseguir fazê-lo...

Agora apetece-me...não sei muito bem, mas quero libertar-me!   

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Sinto-me tão...lá no fundo


Hoje estou cansada de chorar.
Hoje tudo me faz chorar
Hoje sinto-me um ser tão pequenino...
Hoje preciso de gritar ao mundo!




sábado, 2 de junho de 2012

Provavelmente, hoje


Socorro!!!
Estou prestes a enlouquecer...tenho mesmo que ver o Gabriel.
Vá la Bruna, usa as tuas armas!

sexta-feira, 1 de junho de 2012

O calor!

 Acordei tão bem disposta com o sol a espreitar na varanda do meu quarto :) o calor provoca-me uma sensação de alegria que não sei explicar...
Lembrei-me do Gabriel, lembrei-me dele com um sorriso atrevido, olhei-me no espelho e gostei da imagem. Imaginei as mãos dele a percorrerem o meu corpo, fechei os olhos e quase senti a sua respiração junto do meu pescoço...e começo a sentir-me desejosa do seu corpo...mordo levemente o lábio inferior e sinto um arrepio...abro os olhos e vejo no espelho a imagem de uma mulher atrevida, e esboço um sorriso matreiro. Pego no telemóvel, e claro, vou provocar o Gabriel :) sei como e adoro fazê-lo, sei que ele não resiste!
Passamos o dia a trocar mensagens... bom, eu andava eufórica, não sei, mas hoje estava possuída, com um desejo incontrolável de me enroscar no corpo dele...
É o tempo! Este tempo deixa-me louquinha...
O meu trabalho terminou, e o dele também...
G-" Vamos sair? Vens?"
B-" Agora não"
Hum, não sei como fui capaz, depois de passar o dia todo a desejar estar com ele, provoca-lo... A verdade é que não me apeteceu! Não quero mais estar com ele e a olhar para o relógio, a contar os minutos, não!
Aposto que ele ficou furioso, mas...paciência...há-de passar!